Vai de carrinho

Um comportamento muito habitual nas pessoas adultas ao fim de semana é o de fazer compras. Há que o faça uma vez no final do mês para não ter de andar todas as semanas a fazê-lo. Mas também há quem prefira fazê-lo todas as semanas. Uma grande percentagem das pessoas ainda o continua a fazer presencialmente, apesar de haver um número cada vez mais de compras online e que são entregues em casa. Não obstante haver quem goste ou não, o certo é que não deixa de ser um comportamento habitual e que as pessoas encaram como fácil de realizar. As lojas de rua deixaram de existir em tão grande número e as grandes superfícies comerciais ocuparam este lugar cimeiro. Mas uma ida ao shopping tem vários constrangimentos para todos nós, e ainda mais para as pessoas autistas. Para estes, um comportamento que muitos assumem como fazível é sentido pelas pessoas autistas como uma descida ao inferno. Começando pelos estímulos sensoriais sentidos em demasia, seja as luzes, mas também os sons. E ainda nem sequer começou a época de Natal. Mas também o número de pessoas para trás e para a frente, os empurrões e as mudanças imprevistas dos produtos nas prateleiras. Ir às compras para as pessoas autistas sempre foi considerado uma tormenta. Não é por acaso que em alguns países se foram adiantando e foram criando períodos livres de estímulos para que as pessoas autistas possam mais facilmente cumprir estas suas rotinas como qualquer outra pessoa adulta. O exemplo das compras de haveres alimentares não é único, pois se pensarmos em comprar roupa acaba por acontecer o mesmo. Pode parecer coisa pouca, dirão alguns. E outras dirão que podem comprar online. Mas o certo é que estas e outras características faz com que a pessoa autista deseje ser um super herói para aguentar este processo.


30 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com